A insustentabilidade financeira e ambiental dos sistemas de transporte público foi catalisada pela Covid-19, e o debate hoje é urgente, pois as grandes cidades brasileiras correm o risco de entrar em colapso. 

A maior parte dos centros urbanos da América Latina tem nos ônibus seu principal meio de transporte coletivo e a discussão sobre a sustentabilidade dos sistemas por ônibus se tornou agenda emergencial, especialmente no nível subnacional, no qual se dá a implementação.

A quarentena foi abandonada por muitos brasileiros a partir do final de agosto. Disparou, desde então, o número de pessoas que voltaram a frequentar lugares que estavam sendo evitados por conta da necessidade de distanciamento social, especialmente parques, praias e outros locais de lazer. 

Um desses monitoramentos vem sendo feito pelo Google em 135 países.

Desde o início da pandemia, a falta de informações conclusivas e de fontes de pesquisas seguras trouxe medo para os usuários do transporte coletivo. Novos estudos e novas evidências começam a desmistificar a ideia de que ônibus são um local de contágio maior do que outros ambientes.

Nesta quarta-feira (16), foi divulgado o estudo "Análise da Evolução das Viagens de Passageiros por Ônibus e dos Casos Confirmados da Covid-19”, realizado pela NTU (Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos).

O transporte de massa virou o Belzebu da pandemia da covid-19. O medo de andar de metrô, trem ou ônibus é a reação padrão no mundo. No Brasil, 93% dizem ter medo usar transporte público, segundo levantamento do PoderData. 

Em Londres, que tem um dos melhores sistemas de metrô do mundo, esse índice chega a 70%, de acordo com pesquisa da Tetha Financial Reporting.

Atingido em cheio pelos efeitos do coronavírus, o ônibus coletivo urbano não sobreviverá no pós-pandemia se for mantido o modelo atual, onde os custos são pagos unicamente pelas receitas tarifárias. 

Isso porque a medida sanitária de manter maior número de veículos nas ruas com a drástica redução de passageiros cria uma conta que não fecha e exige mais que medidas paliativas.

O prefeito de Salvador, ACM Neto, demonstrou preocupação com a situação financeira das empresas que administram o transporte público em Salvador, agravada pela pandemia do novo coronavírus, e disse que a questão deve ser a principal dor de cabeça para a próxima gestão.

A esperança para cobrir o rombo no caixa das concessionárias e dar fôlego a elas a curto prazo seria uma Medida Provisória editada pelo governo federal para socorrer o setor.

Estrada União e Indústria, 1135 – Roseiral – Petrópolis – RJ || CNPJ.: 31.134.851/0001-50 Insc.Est. isento Tel.: +55 24 2104-7172